sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015 0 comentários

PLR na conta, Espaço Saúde do Banpará e Caixa 100% pública: uma sexta-feira que vai ficar gravada na memória do coração...

Muito pai d'égua esta sexta-feira 27 de fevereiro/2015. Segunda parcela da PLR (participação nos Lucros e Resultados) na conta, ato público em defesa da Caixa 100% pública que ninguém aceita abertura de capital pro dito mercado vir  e nhac, abrir os caminhos da privatização da Caixa. E participei também da cerimônia de inauguração do Espaço Saúde, na Matriz do Banpará. Espaço conquistado na última recente campanha nacional 2015, com greve de 3 dias no Banpará e uma vitoriosa campanha. Participei como dirigente sindical e integrante da mesa de negociação do Banpará, além de funcionária do banco e diretora da Fetec-Centro Norte. 

 Faz parte da minha vida, celebrar as vitórias, assim como articular e mobilizar para conquistá-las. Gosto de vitórias coletivas, como essa do Espaço Saúde e aproveito para parabenizar as equipes do Numac, Suema, Sudep, Sulog que fizeram um belíssimo trabalho que vai servir à comunidade Banpará. 

Aproveitei que toda a diretoria do Banpará estava presente na cerimônia e reivindiquei espaços semelhantes em outras áreas do banco, como na Municipalidade, na Ponte do Galo, na ag Senador Lemos e outras unidades de trabalho. O presidente do banco, Augusto Sérgio, respondeu que mesmo ali não sendo uma mesa de negociação, o banco acolhia a proposta. Comigo nesse evento, as compas diretoras do Sindicato dos Bancários do Pará, Eliana Lima (secretária geral) e Heládia Carvalho (diretora de Relações Sindicais).  O Espaço Saúde funciona no 2º andar,com psicóloga, médico do trabalho, 3 assistentes sociais e equipe da área de pessoas.

Um bom fim de semana a todxs que lutam por um mundo melhor e dias melhores, em especial aos que mais precisam. Eu tou feliz, porque é gratificante que ver um gesto, uma luta, pode melhorar a vida das pessoas.  Leiam a cláusula no nosso Acordo Coletivo que garantiu a conquista do Espaço Saúde e também a contratação de mais uma assistente social: 

 CLÁUSULA 41ª – REESTRUTURAÇÃO DO SESMT – O Banpará, no prazo de até 180 (cento e oitenta) dias após a assinatura do presente Acordo, compromete-se a criar um “ESPAÇO SAÚDE” para seus empregados, com consultórios adequados para psicólogo, médicos e assistentes sociais, com saída/entrada independente de sua Superintendência de Desenvolvimento e Pessoas e Processos - SUDEP. 

 PARÁGRAFO ÚNICO – No prazo de 30 (trinta) dias após a assinatura do presente acordo o Banpará compromete-se a convocar um candidato aprovado para o cargo de assistente social no concurso público em vigor.
Espaço Saúde: no 2ºandar da Matriz. Espaço de acolhimento.

Um lugar para descanso e fugir do estresse.

O momento da inauguração nesta sextafeira 27 de fevereiro/15


A reivindicação: que espaços semelhantes sejam feitos noutras unidades.

E as lindas imagens do ato público em defesa da Caixa



As palavras de ordem: "Não, não à privatização" e "A Caixa é do povo".

Heider Alberto, dirigente sindical Seeb.Pa e funci Caixa: exigimos a Caixa 100% pública. 

CUT.Pa: A Caixa ´do povo brasileiro e não tem nenhuma razão pra abrir o capital".

O abraço na Caixa, em Belém...

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015 1 comentários

O Acre pede socorro e solidariedade. Urgente

Brasiléa, no Acre está assim: sem luz, sem água tratada, sem internet. Ilhada. O Acre pede socorro e solidariedade. Pois mesmo que noticiada, a informação passa ao largo, pois as dores da nossa região são invisíveis na velha mídia. O transbordo dos rios Acre, Juruá e Tarauacá já atinge 19 mil pessoas e os municípios mais afetados são Brasiléa, Epitaciolândia, Xapuri e Capixaba.
O SINTEAC - Sindicato dxs Trabalhadorxs da Educação do Acre está com a campanha de arrecadar alimentos para os alagados. Quem não puder entregar alimentos,  pode depositar em valores. 
A conta é:
Banco do Brasil
 Agência 0071_x
 Conta 40633_3

Agência do Banco da Amazônia em Brasiléa/AC
Agência do Banco do Brasil


O município de Brasiléa embaixo d'água



domingo, 22 de fevereiro de 2015 1 comentários

Como fazer compota da casca de bacuri, a fruta mais deliciosa do planeta Terra...

Domingão bonito este 22 de fevereiro, dia do aniversário do querido amigo Magé, cabeça cheia de assuntos e saudades e resolvi ir pra cozinha, fazer uma compota da casca de bacuri. Pra quem não sabe, bacuri é a fruta mais deliciosa do planeta e só dá no período do inverno amazônico e das chuvas, ou seja, de dezembro a março. Tá bem na época. Normalmente, todo mundo joga as cascas fora. Eu também, Mas desta vez resolvi guardar e arriscar uma compota. Uma só, não. Duas.

Botei o radinho na Cultura, lavei 25 cascas de bacuri, peguei  a panela de barro, botei água e as cascas dentro. Fervura de 15 minutos e as cascas ficaram moles.  Quando esfriou um pouco, derramei a água e fui limpando a casca, pedaço por pedaço. Com a paciência de quem tem todo o tempo do mundo.

Separei as cascas limpas e as que ficaram com misturas de bacuri. Meus dedos e a faca só resina que a casca do bacuri tem uma resina, um grude forte. Limpei a mão com óleo de cozinha, fui fotografando o passo a passo e meu celular, cheio de resina.  
Resolvi fazer duas compotas: as bem limpinhas e as misturadas.

Preparei duas caldas, 1 em panela de barro e outra em panela de alumínio. Usei 1 kg de açúcar demerara e 6 copos de água. 3 copos em cada panela. Quando a calda começou a ferver, coloquei as cascas limpas na panela de barro e as misturadas na panela de alumínio. Mais 15 minutos de fervura e estavam prontas as compotas.

O gosto ficou bom, e quando a gente come, no inicio é doce e lá no final tem um azedinho da casca que apura o sabor do bacuri.
Enquanto eu preparava tudo, o apartamento foi ficando impregnado do cheiro delicioso do bacuri. Fruta que meu amigo Castagna Maia gostava muito, ele que tá nos olhando lá de cima.

Trabalhoso e gostoso o preparo da compota. Pra fazer naqueles dias em que precisar conversar com a voz de dentro, ou pra juntar a família num novo experimento.

Abração e boa semana.

Ingredientes:

25 cascas de bacuri (lavar antes de levar ao fogo)
1 kg de açúcar comum ou demerara

O modo de fazer tá mais em cima.


A polpa carnuda e deliciosa do bacuri é essa branquinha. A amarelinha é a casca dura do bacuri.

Casca de 25  bacuris já na panela de barro pro cozimento.

Só água e casca de bacuri. Foram lavadas as cascas, antes de ir pra panela. 20 minutos de fervura.


Tirando os excessos da casca, já cozida.


A parte da casca da qual foi tirado o excesso.

Sobras das cascas também cozidas.

Calda com açúcar demerara orgânico. Pra cada copo de açúcar, 2 de água.

Calda para a compota.

No ponto, a compota da casca de bacuri sem nenhuma mistura.

Prontinha a compota da casca com as misturas de bacuri.



Já no vidro, a compota da casca limpinha.

E neste outro vidro, a compota da casca com excessos.

A compota da casca com a mistura de bacuri.


Limpando a casca cozida e ouvindo a Rádio Cultura FM no radinho...

sábado, 21 de fevereiro de 2015 0 comentários

CUT.Pa vai exercitar muito a escutatória em congressos regionais junto com sindicatos urbanos e rurais: pra avançar nos direitos, com todo mundo junto.

Que a conjuntura, o momento atual não tá fácil pra esquerda, todo mundo sabe. A velha mídia, capitaneada pela Rede Globo, bate sem cessar no governo Dilma. O governo, por sua vez, faz mil afagos ao mercado, à direita e esta, mesmo acarinhada e bem aquinhoada, anuncia e trabalha o impeachment, o impedimento da presidenta eleita democraticamente pela maioria da população brasileira. E nomeio da sala da classe trabalhadora, o governo Dilma colocou dois bodes: as MPs 664 e 665, que tiram direitos dos trabalhadores. Claro que a reação dos sindicatos cutistas é repudiar a medida que salga as costas da classe trabalhadora, enquanto não aponta por exemplo, a taxação de grandes fortunas.

Todo esse retrato do Brasil e dos desafios, foi debatido nesta sexta-feira 20 de fevereiro/15, pela direção da CUT.Pa na sede dos bancárixs.Pa e contou com duas palestras bem pé no chão do deputado Bordalo (PT.Pa) e do dirigente nacional da CUT, Jacy Afonso. 

Alguns elementos da conjuntura - Há uma questão desafiadora para todos nós é saber para onde queremos ir.Desde o ano de 2003 estamos inseridos em um ciclo virtuoso de crescimento, de caráter econômico e social, e principalmente de percepção de sociedade, porém após certo período (12 anos) é possível perceber certo esgotamento.

-Esse esgotamento é possível perceber no estado de bem-estar social inserido em uma economia capitalista. Com a economia globalizada e o mundo inteiro passa por uma crise econômica, o que exige das economias políticas anticíclicas, o que causa um grande impacto na economia.

- A crise internacional acaba por impactar na base industrial e tecnológica de nosso país. Nessa crise, as elites brasileiras sabem que não podem permitir um novo ciclo virtuoso de crescimento. É nesse processo que a luta de classe se intensifica, principalmente por conta dos interesses dessas elites.

- O Brasil não está nessa crise em que as elites propagandeiam, mas esse ciclo demonstra um esgotamento, o que desafia ao atual governo ajustes necessários, porém as tomadas não foram felizes, principalmente aquelas que demonstram a retirada de direitos. É necessário que o governo Dilma demonstre aonde irá atacar, dando sequência ao caráter da vitória no segundo turno das eleições de 2014.

-Há uma disputa midiática em que as elites brasileiras querem nos convencer de que estamos em crise econômica, e grande parte da classe trabalhadora acabam por acreditar.

- A Europa inicia um processo de políticas anticíclicas e o Brasil dar uma demonstração de ações de retirar direitos, um caminho contrário.

- Apesar de toda essa situação, os trabalhadores e trabalhadoras, principalmente suas lideranças, não podem alimentar essas tentativas de golpes manifestadas pelas elites brasileiras. A oposição assume uma posição de combate “bolivarianista” com características da direita venezuelana e argentina.

A situação do Pará -  O Pará, o governo do Pará está cada vez mais dependente de recursos do governo federal, de empréstimos. E um exemplo é que no Pará há 8 milhões de habitantes  e 3,2 milhões são amparados pelo Programa Bolsa Família.

- Do orçamento de 24 bilhões apenas 8,7 será de investimento, ou seja, há uma grande dependência 

do Pará dos recursos federais (financiamento, projetos e empréstimos).

- A Bancada do PT na Assembleia Legislativa assumiu o desafio de iniciar uma provocação ao 
Governo Estadual lançando uma campanha pela valorização da educação de segundo grau. O 
Estado tem a pior educação do país, porém precisamos estimular a revitalização da educação no 
Estado. A CUT e o movimento sindical são convocados para participar dessa campanha.

Mobilizar, ouvir, avançar - O planejamento da CUT.Pa aponta um enfrentamento dessa conjuntura, com muita mobilização, muita agregação, muito ouvir os sindicatos e estes, as respectivas.Ouvir, conversar, agir. 

Horizontalizar - A CUT.Pa fará até seu congresso, em 27 28 e 29 de agosto, uma peregrinação qualificada em 5 regiões, pra dialogar com seus sindicatos, tanto rurais como urbanos e a população das regiões. E acompanhará as assembleias de base dos sindicatos, no que for possível, pois 2015 é um ano de intensas mobilizações, com eleições sindicais na ContrafCUT agora em março, Marcha das Margaridas no início de agosto, Marcha das Mulheres Negras em novembro, Marcha da Classe trabalhadora, campanhas salariais e toda a rotina do mundo sindical. A peregrinação qualificada e organizada é o desafio da CUT.Pa, considerando o tamanho continental e diversidade da regiões do Estado.

Em síntese, a CUT.Pa planeja horizontalizar o debate, exercitar a escutatória, ampliar a mobilização pra avançar nas conquistas, sempre com MAIS direitos.

É um bom plano de ação e vai precisar de todos os sindicatos para executar a tarefa.

Mas eu tenho fé. Sou mulher, amazônida, acostumada a desafios e sei que quando a gente planeja e executa coletivamente, vai bem.

Bori nessa, CUT! Tamos juntas!


Deputado Bordalo e diretor de Organização da CUT Nacional, Jacy Afonso: fazendo o retrato do momento para apontar rumos. Vera Paoloni, secretária de comunicação da CUT.Pa

Jacy Afonso, da CUT Nacional: precisamos nos reinventar, ouvindo os sindicatos, movimentos e esets, ouvindo sesu representados. E avançar na nossa pauta. Sugere a leitura da fábula dos porcos assados.

Bordalo (dep PT.Pa); O Brasil não está nessa crise que a mídia propagandeia, mas tá num ciclo de esgotamento que desafia o governo Dilma a apresentar medidas e as primeiras não foram as mais felizes.



Deputado Carlos Bordalo: cada um no seu papel, é preciso fazer o governo Dilma avançar. Trabalhadores e trabalhadoras, principalmente suas lideranças, nãopodem alimentar essas tentativas de golpes manifestadas pelas elites brasileiras.



Direção da CUT.Pa, movimentos sociais e convidados.

O momento é de mobilização...

A saudação aos presentes, feita pelo pte da CUT.Pa, Martinho Souza e pela presidenta dos Bancárixs.Pa, Rosalina Amorim.

 
;